Mestre de Cerimônias

O Roteiro da Solenidade

O que podemos dizer acerca do Roteiro da Solenidade, esse documento que norteia o evento como um todo, que orienta os mais diversos atores responsáveis pela implementação dos diversos atos do evento? Nesse artigo, dedicado a uma conversa sobre o roteiro, colocarei o link para um documento que concentra todos os atos de um evento ocorrido no Ministério da Justiça, inclusive com as falas e os discursos das autoridades que integraram a mesa de abertura. Fique atento!

Veja na íntegra a transcrição integral da condução de um evento!

 

November 01, 2017

"- Senhoras e Senhores, o Mestre de Cerimônias!"

        A expressão soa até divertido! Em todo o tempo é ele – o Mestre! – quem a pronuncia, e sempre em favor de uma personalidade a ser vista. Tal expressão parece não ter sido feita para a ele ser direcionada, uma vez que se trata de um vulto, talvez uma sombra ou um flash de luz que não deve brilhar ou coloca em risco todo o Ato Solene. Então, dito assim, com aparente pompa, quase faz rir. Quem seria esse personagem que de tanto ter que ser carece esforçar-se para deixar de ser?

      Sim, ele precisa encher-se e estar apto a esvaziar-se. Encher-se de conhecimentos gerais, de boas leituras, de bons livros, bons filmes e hábitos. Ele ouve boas músicas e, se você pedir, é provável que cante – e até que se permita acompanhar num piano ou violão! E escreve, e coleciona belas fotos e histórias sem fim. Tem amigos, sabe encantar, manter uma boa conversa e até jogar fora um tempo num papo furado regado a jazz, quem sabe, bossa. Veste-se com discrição e elegância, e, nesse quesito, quase não se arrisca. Sabe chegar, entrar, e ficar ou ir; sabe calar e também falar, sabe parar, olhar, se sentar, levantar, se afastar, sabe fingir, disfarçar... sabe sim, sabe apreciar, o cristal e o vermelho seco. De tudo um pouco, de pouco, muito. Mas ali, no anfiteatro, ele... precisa sumir. E some. Ou quase.

      Ele conhece a sua arte, e conhece também os artistas, suas manias e precedências, conhece o lugar deles todos; onde devem se sentar, quando devem falar, e os orienta, os direciona. O Mestre de Cerimônias é o guardião de todos, é aquele que dá a dica, que sussurra por detrás dos cabelos dos Reis, das Rainhas e dos súditos. A um olhar seu a maior autoridade se sente segura, ou quase desmorona diante da própria plateia. Ele é 100%, e é quase nada.

September 12, 2017

O Mestre de Cerimônias e o Roteiro (Script) - Como equilibrar essa relação?

       A imensa maioria dos eventos que faço é seguindo um script detalhado. Apenas alguns clientes abrem mão de escrever um roteiro, preferindo conversar previamente me inteirando das ocorrências e me deixando livre para a condução. Em regra, logo ao chegar ao local do evento, já nos primeiros contatos com o cliente ele já me passa o seu roteiro para que eu vá assimilando a sequencia da solenidade, eventuais atos dentro da cerimônia - assinatura de documentos, entrega de homenagens, e coisas assim -, além de ir me familiarizando com nomes próprios que exijam atenção especial em sua pronúncia ou outras palavras que mereçam maior cuidado. Em alguns casos - minoria! - o cliente antecipa o roteiro por e-mail, de maneira que, quando desse primeiro contato, já tenho informações suficientes para entabular uma conversa ainda mais proveitosa. Caso seja o meu primeiro contato com o roteiro, sempre peço um tempinho para me inteirar do documento para que, em seguida, desenvolvamos possíveis dúvidas.

     Costumo dizer que o roteiro é uma coisa viva! Ele vai se alterando conforme se desenrola a cerimônia. As coisas mudam daqui para ali e – brinco! - o roteiro se consolida apenas quando acaba o evento. Essa é a única garantia de que não haverá mais nenhuma alteração! Assim, a primeira coisa que procuro ajustar com o cliente é quem tem autoridade para promover alterações e ajustes no documento. Ele precisa me deixar claro a quem devo consultar no caso, por exemplo, da falta de um dos integrantes da mesa ou do painel. Será que alguém substituirá o faltoso? Se não houver clareza quanto a isso o Mestre de Cerimônia corre o risco de cometer erros gravíssimos ao ouvir pessoas que não têm autoridade para decidir sobre o roteiro. Bem, uma vez decidido isso passamos à analise do documento.

       O roteiro é o documento que norteia todo o evento. Sua compreensão pelo Mestre de Cerimônias é da maior importância. Aqui não cabe achismo, é preciso certeza. Com base nesse pressuposto é que procuro conversar de maneira a esgotar a possibilidade de erros de interpretação, seja do texto em si ou da sequência de atos. Sempre há o quê ajustar e aqui trago um exemplo disso, ligado ao Canto do Hino Nacional.

        A formação da mesa de honra – ou mesa diretora – pode ser um dos momentos tensos do evento. Por vezes ela é definida pouco antes do início dos trabalhos. Esse é um período em que o cliente está conversando com sua equipe, seus parceiros, buscando encontrar autoridades que possam representar as instituições afetas ao tema evento e/ou que atuaram em cooperação para que o evento fosse possível. Tomo muito cuidado nesse período pois os nomes podem mudar muito rapidamente e, antes de ir ao microfone, sempre confirmo  a composição de mesa com o meu cliente, repassando a ordem de precedência. Outra coisa que está diretamente ligada a esse momento de consolidação da mesa é a definição de quem fará uso da palavra na ocasião. Sobre isso fico particularmente atento àqueles casos em que a maioria dos integrantes da mesa terá fala e apenas um ou outro ficará sem oportunidade. De maneira gentil procuro atrair a atenção de meu cliente para o fato, provocando-o a refletir sobre melindres futuros, já que alguém poderá sentir-se preterido. Aqui surgem outras dúvidas por parte do cliente: como decidir a sequência de falas, especialmente quem fala primeiro e quem fala por último. Explico os critérios protocolares de definição, recordando que pode ser gentil que a primeira fala seja do anfitrião do evento, uma vez que terá oportunidade para receber de maneira adequada os seus convidados, fazendo com que se sintam acolhidos, valorizados e respeitados. Procuro lembra-lo de que a última fala é reservada para a autoridade mais expressiva presente à mesa de honra.

       Claro que é muito importante ter em mente que lidamos com autoridades, mas que estas são, ao fim, pessoas, algumas bem a vontade com a situação, outras nem tanto e há aquelas que estão tensas e preocupadas em não cometer nenhuma gafe diante do público, das câmeras e do próprio chefe! Elas acabam por ver no Mestre de Cerimônias aquele que tem o direcionamento correto acerca de como se conduzir nesse cenário. Logo, para além dos conhecimentos protocolares, é preciso estar atento às questões humanas com as quais estamos lidando. Outro fator de grande importância são os aspectos políticos que permeiam o evento que, em alguns casos, forçarão o Mestre de Cerimônias a relevar alguns quesitos que o profissional de eventos preferiria observar.

     Em suma há um roteiro que foi construído cuidadosamente, ainda que por alguém não necessariamente preparado para o fazer, mas que ainda assim, o tem em grande importância, e, de fato, ele tem. Ao Mestre de Cerimônias, profissional encarregado de conduzir o evento, cabe a rigorosa observação do documento e, se for o caso, oferecer sua expertise na correção de eventuais deslizes na organização da solenidade.

October 06, 2017

Check List - a Salvação da Lavoura!

"Chato é aquele que explica tudo, tim, tim, por tim, tim, e, depois, ainda entra em detalhes". O inigualável interprete de Lua e Flor, Oswaldo Montenegro soltou essa frase em um show! Bem, para nós, cerimonialistas e mestre de cerimônias, que lidamos com detalhes sem fim, podemos até concordar com o artista, mas jamais sobreviveríamos sem esse apego aos detalhes!

 

Please reload

Aprenda como formar a mesa diretora - Precedência à mesa

November 01, 2017

      Talvez uma das dúvidas mais presentes entre Cerimonialistas, Mestres de Cerimônias ou aqueles que fazem os ajustes finais na formação da mesa de honra - há quem prefira "dispositivo de honra" - seja o estabelecimento da ordem de precedência à mesa. Não quero aqui falar sobre os diversos cargos e funções, já muitíssimo bem explicitadas em nosso decreto. Outro fato a se levar em conta é que as autoridades que comporão a mesa eventualmente são conhecidas do cerimonial e este sabe quais são as de cargo mais elevado; o que acontece é que o cerimonial muitas vezes tem dificuldade com a classificação da precedência das cadeiras! O que se vê é um cerimonialista ou mestre de cerimônias perdido entre cadeiras ímpares ou pares. Centro, esquerda, direita ... ou direita esquerda? Devo considerar essa orientação a partir do palco ou da platéia? Quantas vezes já vi colegas cheio de dúvidas a esse respeito! Então vamos lá!

     

Como identificar a precedência no palco?

     Para início de conversa imaginemos que nós estamos no palco, atras das cadeiras, olhando para a platéia. A tomada desse ponto de referência é importantíssima e qualquer pequena mudança aqui pode mudar todo o raciocínio! Pois bem, estamos no palco - ou tablado - por detrás das cadeiras. Consideremos que temos três cadeiras em nossa mesa de honra - mesa ímpar, portanto. Naturalmente que o lugar número 1 dessa mesa é o centro. Nesse caso seguimos numerando: direita, esquerda ... tantas quantas forem as cadeiras no palco, desde que o número de cadeiras seja mantido ímpar!

      Entendido esse ponto passaremos a considerar um número par de cadeiras no palco, ok, digamos quatro cadeiras. Bem, notemos que continuamos  posicionados no palco, por detrás das cadeiras e de frente para a plateia. Nesse caso vamos precisar criar uma linha imaginaria que dividirá o grupo de cadeiras: duas para um lado e duas para o outro lado. Pronto, já podemos definir a nossa cadeira número um, que será a que estiver ao lado direito, pegada à nossa linha imaginária! A cadeira número dois, nesse caso, será a da esquerda e a número três será aquela logo a direita da número um, e segue enumerando: esquerda, direita ... quantas forem as cadeiras, desde que o total seja um número par!

      Muito bem, não há razão para ter qualquer dúvida a esse respeito. Recordo que a mesma dinâmica será aplicada ao posicionamento das bandeiras, cujas panóplias serão colocadas sempre ao lado direito do palco! 

      

Faça o melhor registro do seu evento!

July 10, 2017

      Sabemos que organizar um evento é uma tarefa que exige muito da equipe responsável. Alguns eventos são planejados com muito tempo de antecedência, anos até, mas que vão acontecer num período de algumas horas apenas. Veja, por exemplo, um casamento, ou um batizado, ou ainda a apresentação de resultados de uma ano de trabalho de uma equipe no serviço público! São incontáveis tarefas, detalhes sem fim, uma enorme equipe envolvida, muitos convidados, e sabe-se lá mais o quê!

      No final do evento, dever cumprido, meta alcançada, sorrisos, abraços, cansaço, realização! Ficam as fotos, os filmes e as publicações nos sites e mídias sociais. Para que não haja surpresas nessa hora, é de vital importância que a equipe responsável pelo registro do evento seja absolutamente confiável. Então, no momento de realizar essa contratação, não se deixe enganar: esteja certo de que o seu evento está nas melhores mãos! Saiba um pouco mais sobre documentação fotográfica!

Fotografia - O profissional certo revela o resultado

November 07, 2017

Em tempos on line o profissional de imagens, mais do que promover a documentação do evento com qualidade total, estará atualizando as mídias sociais com essas imagens que falam a todos ....

Please reload